O leilão de energia solar realizado no final do mês de agosto viabilizou mais 30 usinas solares de grande porte. O apoio do governo e a disputa acirrada dos investidores, contribui também para a expansão dos sistemas fotovoltaicos residenciais e comerciais. 

Um total de 30 empreendimentos de geração de energia solar fotovoltaica, somando capacidade instalada de 1.043 megawatts pico (MWp), foi contratado no 1º Leilão de Energia de Reserva 2015, promovido na sexta-feira 28/08/15 pelo Governo Federal. Agora, somado aos outros 31 empreendimentos do leilão realizado em 2014, o Brasil atinge cerca de 2 GWp em usinas de energia solar.

"O que a gente quer sinalizar é que haverá leilões anuais. Não necessariamente dois, como neste ano, mas essa sinalização é importante para dar tranquilidade aos investidores, aos fabricantes, de que eles podem instalar fábrica no Brasil porque terá demanda de equipamentos para eles", disse o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Mauricio Tolmasquim.

Entre os grandes vencedores estiveram grandes nomes internacionais, como a norte-americana SunEdison, em uma joint venture com a Renova, da Cemig, a italiana Enel Green Power e a canadense Canadian Solar. Esses participantes trazem grande tranquilidade quanto à viabilização das usinas e confirmam que a energia solar vai seguir o mesmo caminho virtuoso da energia eólica.

Os 1.043 megawatts em capacidade instalada demandarão investimentos de 4,3 bilhões de reais e serão construídos cidades de cinco Estados: Bahia, Minas Gerais, Paraíba, Piauí, Tocantins.

“Esse leilão foi um grande sucesso e foi um dos menores preços do mundo, de US$ 85 o MWh, menor do que no primeiro leilão realizado no ano passado”, informou Tolmasquim.

O setor solar atrai interesse dos investidores num momento em que o Brasil vê a economia entrar em recessão e caminha para ter o pior desempenho da atividade em 25 anos. 

 

Sistemas Fotovoltaicos Residenciais e Comerciais Também Interessam

 

Além das usinas de grande porte, o governo também pretende incentivar instalações de médio porte, no estacionamento de shoppings e supermercados, e menores, no telhado de residências.

Tolmasquim, da EPE, destacou que o governo está preparando uma emenda em Medida Provisória para instituir um valor teto mais adequado para que distribuidoras de energia possam fazer chamadas públicas para contratar energia de instalações solares de médio porte.

O Ministério de Minas e Energia, também informou que foi inserida uma emenda, na MP 675, para desonerar de PIS e Cofins a energia gerada em sistemas fotovoltaicos residenciais, assim como na produção e importação de equipamentos com a tecnologia solar fotovoltaica

Com esses passos, além dos leilões, o governo acredita que será possível atrair investidores interessados em instalar fábricas de equipamentos solares no país.

"Estamos em um momento em que tem muita empresa de fora sondando... tem chineses e outros", disse o presidente da EPE.