Empreendedores podem solucionar os problemas de geração, consumo e distribuição de eletricidade no país

 

Soluções inovadoras de pequenas e médias empresas são essenciais para aliviar os gargalos do setor energético brasileiro. É o que diz Lavinia Hollanda, coordenadora do centro de Energia da Fundação Getulio Vargas, do Rio de Janeiro.

Em um cenário marcado pela combinação entre aumento de demanda e escassez de recursos, tecnologias de distribuição e fontes alternativas ganham força entre empresas e consumidores. Na entrevista a seguir, a pesquisadora fala sobre desafios e oportunidades para empreendedores dispostos a solucionar os problemas de geração, consumo e distribuição de eletricidade no país.

Quais são os principais desafios do setor energético brasileiro?
A estrutura do país está baseada em hidrelétricas. Mas a capacidade de armazenamento foi reduzida nos últimos anos - a construção de usinas com reservatórios tornou-se mais cara e complexa. Além disso, tivemos um período atípico de estiagem, que resultou em um volume de chuvas muito abaixo da média histórica.

A adoção de fontes alternativas pode ser um caminho para amenizar esses problemas?
Não existe solução fácil. É preciso repensar o setor de uma maneira geral. Existem questões que vão além das conjunturas internas. Diversos países estão adotando posturas ligadas ao meio-ambiente e à racionalização de consumo. Acho que deveríamos começar pela definição uma política energética mais clara. Como queremos que o Brasil se posicione no cenário mundial? Como iremos encarar os desafios de ordem econômica e social?

Como as pequenas empresas podem se encaixam nesse contexto?
A demanda por energia não vai parar de crescer. Ao mesmo tempo, já é possível observar uma série de inovações tecnológicas surgindo no setor. Essa combinação abre boas oportunidades para empresas que apliquem soluções de inovação ligadas à racionalização de consumo e à geração de energia.

Quais são os segmentos mais promissores?
O setor de energia eólica tem crescido bastante. O investimento em fontes renováveis é importante. Mas não podemos esquecer que o Brasil é um país de grandes proporções, com características regionais muito diferentes. O uso desse tipo de tecnologia traz grandes desafios operacionais, ligados a variações climáticas e descontinuidade de abastecimento. É preciso ter um bom planejamento para atuar nesse mercado.

E sobre as oportunidades no setor de energia solar?
Para projetos de grande escala, os custos de implantação desse tipo de sistema ainda são muito altos. Por enquanto, as plataformas de energia fotovoltaica [baseadas em luz solar] fazem mais sentido para projetos de micro-geração distribuída, como painéis solares instalados em casas e pequenas empresas.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios